Atchim! e ai! – gripe e sensibilidade

Atchim! Ai, ai...

Atchim! Ai, ai…

Olá, amigos! Depois de mais um pequeno período de ausência, motivado em grande parte por uma gripe que me deixou “derrubado” – e da minha ainda presente (e persistente) fadiga social –, retomo hoje as atividades no blog, mais uma vez me desculpando pelo sumiço.

Já que falei na dita cuja da gripe, achei bastante propício usá-la como tema para iniciar o post de hoje. É fato que estamos todos suscetíveis a ficarmos gripados, especialmente nesses dias em que o friozinho – ou a chuva, minha eterna arqui-inimiga – aumenta e quando o inverno se aproxima. E aí, não há o que fazer; quando nos damos conta, já estamos sentindo aquele incômodo na garganta, a cabeça começa a doer e, pouco a pouco, o nosso corpo se torna dolorido como se tivéssemos acabado de levar uma bela surra. Depois, o de sempre: febre, tosse, nariz escorrendo e aquela coisarada toda que só de lembrar a gente já começa a se sentir mal.

A primeira coisa que fazemos quando surgem os sintomas é procurar por remédios. Aí geralmente se ouve a sugestão de parentes e amigos: “toma esse que é bom”; “faz um chazinho de alho com limão, mel, azeitona e pimenta-do-reino que melhora rapidinho”; “se você tomar esses 52 comprimidos diariamente a gripe passa e você nunca mais pega”; e por aí vai. Não sei o que vocês acham desses conselhos, e é provável que até mesmo os recomendem. Mas no espectro do autismo, como sempre, as coisas não são necessariamente assim tão simples.

Antes de chegar nos remédios, vou falar sobre os sintomas, agora na perspectiva autista. É claro que gripe derruba qualquer um, autista ou neurotípico, e que os sintomas são um incômodo para todo mundo. Ninguém em sã consciência gosta de ficar doente – e mesmo que a doença seja uma boa desculpa para, por exemplo, faltar o trabalho, o incômodo torturante será o mesmo. Mas nas experiências mais recentes que tive com a dita cuja, incluindo esta última, percebi algo curioso em mim.

Como vocês sabem, as pessoas no espectro do autismo geralmente têm uma sensibilidade grande, em todos os aspectos – sensibilidade auditiva, sensibilidade visual, sensibilidade tátil. É importante dizer que isso varia de pessoa para pessoa, mas é algo quase sempre presente, em maior ou menor grau. Comigo não é diferente, e o fato curioso que notei enquanto estive gripado foi que essa sensibilidade se ampliou. Era como se eu tivesse me tornado ainda mais sensível a tudo – a ponto de a luz das lâmpadas, amarelas ou brancas, fazer os olhos arderem o tempo todo, mesmo que não estivesse olhando na direção delas, e até mesmo de a simples fricção das roupas no corpo fazer minha pele doer como se estivesse sendo arranhada por unhas pontiagudas. Não sei se as pessoas que não estão no espectro sentem o mesmo, e por sinal fiquei curioso para saber (se alguém quiser falar sobre nos comentários, fique à vontade). Se sentirem, saibam que é mais ou menos assim que um autista sente algumas coisas mesmo quando não está com gripe.

A sensibilidade, por si só, é algo um tanto quanto incômodo – provavelmente piorado pela gripe –, mas com o passar dos anos acabamos nos acostumando e ao menos conseguindo relevar, já que é uma coisa que não se resolve com terapia ou remédios (pelo menos não que eu saiba!). Posso dizer que aprendi a evitar certas coisas, ou, se inevitável, tento me focar em algo bom, que faça com que eu me sinta melhor. Por exemplo, a sala em que trabalho tem lâmpadas brancas, fluorescentes, que costumam me provocar um leve incômodo nos olhos. Assim sendo, tento não prestar muita atenção nisso, e penso em outras coisas – no trabalho, na hora de ir embora ou em um livro de que gostei – para desviar minha mente da sensação ruim que a luz está me causando. Se eu parar e prestar atenção no incômodo, pronto: vai ser muito mais difícil aguentar.

Outro exemplo bem marcante são os toques de outras pessoas. Demorei a me acostumar com eles, e acho que ainda não estou totalmente acostumado. Quando era pequeno, se as pessoas me tocavam de surpresa ou muito rápido, sem que eu tivesse tempo para processar, eu sentia como se estivesse levando um tremendo de um choque. Nunca me esqueço de quando, na então pré-escola, um colega de turma resvalou seu braço sem querer na minha barriga. O choque foi tão grande que chegou a doer, quase como se eu tivesse sido esmurrado – claro que não era o caso. Além disso, toques em alguns pontos em especial sempre me causaram desconforto ainda maior. Um deles são minhas unhas. E minha mãe que o diga o quanto era penoso conseguir cortá-las.

Por isso, não tem jeito: com gripe ou sem gripe, sensibilidade é algo com que o autista deve aprender a conviver. E é importante que pais, familiares e professores saibam que não se trata de birra ou “frescura”. Também não é falta de educação: se um dia me encontrar pessoalmente com vocês e evitar que toquem minhas unhas e meus pulsos, não vai ser por mal. É apenas porque a sensação que vem disso, para mim, é insuportavelmente ruim!

Ah, já ia me esquecendo dos remédios. Para mim não é simples atender àquelas sugestões de amigos e parentes porque: 1) não beberia uma mistureba dessas nem se me pagassem! Para mim, alho é salgado, mel é doce; e na minha concepção, não importa o que diga a culinária contemporânea, salgado e doce não se misturam. Gosto das duas coisas, mas separadas e em seus devidos lugares, não num chá com um gosto horrendo; 2) não tomo comprimidos, de jeito nenhum (a menos que possa mastigá-los ou dissolvê-los em água). Tenho pavor a engolir aquelas coisas inteiras, e não adianta, não consigo fazer isso. Se me entalam na garganta, acabo tendo um troço. Assim, só me resta apelar para os xaropes, vitamina C e soluções líquidas – elas existem, e não sei por que motivos os médicos (e parentes e família também) nunca as receitam; garanto que funcionam tão bem quanto os ditos comprimidos. Além disso, só muito líquido e o repouso que os médicos exigem, mas também não dão. Ou estou muito errado em pensar que um único dia de atestado não é o bastante para se recuperar de uma gripe forte?

13 pensamentos sobre “Atchim! e ai! – gripe e sensibilidade

  1. é verdade Diego, eu fiquei sensível com a gripe: a luz, nem a tela do computador aguentava 15 min e meus olhos já lacrimejavam quanto a roupa incomoda porque me sufoca(não sei se por causa da febre) dá calor, dá frio…

  2. Olá
    Encontrei o seu blog através de seu nome divulgado na matéria da Gazeta do Povo. É ótimo conhecer um autista verbal que esponha as suas sensações e sentimentos, assim como sentidos, gostos, pensamentos. Tenho um irmão autista, não verbal, de vinte e três anos, e é muito difícil entende-lo, principalmente agora na fase adulta. Aproveitando a postagem, gostaria de saber, como é a sua sensibilidade em relação a temperatura?

    • Olá, Laureen!
      Tudo bem? Legal conhecê-la, e, bom, seu irmão tem quase a minha idade (são só 5 anos de diferença hahaha). Eu sei bem como é. Tenho uma amiga que também tem um irmão autista não verbal, embora ele seja um pouco mais novo. Com relação à temperatura, geralmente não me incomodo muito com calor ou frio (o que me incomoda mais são as coisas fora de época). Gosto muito de frio (muito mesmo!), e calor pra mim está ok, a não ser quando é muito, como foi no último verão. Aí me incomoda um pouco, especialmente porque tenho que trabalhar e não tem como, sou obrigado a suportar.
      Obrigado pela visita! 🙂

  3. Olá bom dia,nesse momento estou na cama a dois dias com uma baita gripe o corpo fica todo sensível, todas as vezes que tenho gripe minha pele fica assim, meus meus olhos ardem demais eu acho que normal

  4. Estou com gripe, e é exatamente esses sintomas que sinto. Sensibilidade a luz (à ponto de não conseguir ficar no celular por + de 10min), e sinto como se minha roupa estivesse me “furando” com agulhas, principalmente na parte das costas.

  5. Olá Jacob,
    Fico feliz de ter encontrado seu blog. Não sei se ainda o acessa, mas o post a respeito da gripe foi muito esclarecedor para que eu entendesse melhor como meu filho de 3 anos que está no espectro está se sentindo agora que ficou doentinho. Ele, que costuma aceitar bem as roupas, quis ficar sem camisa o dia todo, mesmo não estando tão calor.. deve ser a aspereza do tecido. Ele costuma ser extremamente sensível a temperatura, então achei que era calor, mas pensando agora, lembrei que ele não quis, de jeito nenhum, colocar uma bermuda de tecido mais aspero. Ele ainda fala muito pouco (faz fonoterapia e está evoluindo aos poucos) e por ser pequeno ainda é difícil entendê-lo. Agora há pouco só dormiu depois que dei dipirona. Não estava com febre, mas devia estar se sentindo mal… Evito dar muito remédio, mas as vezes não tem jeito. Aliás, como você se sente após tomar remédio para dor? A sensibilidade diminui? Eu tenho a impressão que com meu filho sim…

    • Oi, Carol!
      Ainda o acesso sim, embora não tenha postado há um bom tempo. Que bom que o post lhe ajudou um pouco; fico realmente feliz por ajudar, e por isso decidi manter o blog “no ar” mesmo não conseguindo mais postar coisas novas. Sobre o seu filho, realmente pode ser a questão do tecido o motivo de não querer vestir a camisa. Comigo a gripe parece fazer aumentar a hipersensibilidade mesmo, e algumas texturas acabam incomodando mais do que normalmente já incomodam. A sensação do tecido passando na pele fica bem ruim, às vezes até um pouco insuportável. Porém, o calor também pode ser uma questão. Eu tenho hipersensibilidade ao calor e, se a gripe provoca febre, isso piora. Se eu me sinto muito “quente” começo a ficar muito incomodado e preciso ficar procurando algo gelado para sentir (por exemplo, pisar descalço num piso de cerâmica), e assim consigo me equilibrar. Além disso, o calor ainda me provoca reação alérgica (isso desde pequeno). Então, com o seu filho, também podem ser as duas coisas, ou realmente só o tecido mesmo (observe para ver se ele se incomoda com o calor em condições “normais”, sem a gripe). Sobre os remédios, às vezes não tem jeito mesmo, especialmente nessas situações. Confesso que nunca prestei atenção se a sensibilidade diminui depois de tomar! Vou prestar atenção nisso da próxima vez. Melhoras para o seu filho, e qualquer coisa, estou à disposição! 🙂

      • Oi Jacob. Muito obrigada por responder tão rápido. Quanto à sensibilidade ao calor, meu filho tem sim normalmente, pois ele fica bastante incomodado em ambientes e dias quentes e também sempre arregaça as mangas das blusas de frio. A temperatura do banho tem que ser morna para fria, pois se for um pouco mais quente, parece que estamos jogando agua fervente nele, de tão desesperado que ele fica. Comida também.. se for quentinha ele age como se tivesse queimado a língua e não quer mais comer. A primeira garfada é sempre com mais cautela por medo da temperatura.. Mas luz e ruído não o incomodam tanto quanto parece incomodar outras pessoas no espectro. Vou continuar observando para poder ajudar mais meu filho. Espero que ele possa um dia ser assim como você, que consegue se comunicar bem e explica com palavras o que sente.

      • Por nada, imagine! Então, pode ser isso também. Noto que mesmo sem febre às vezes a gripe dá uma sensação de mais calor no corpo, pelo menos para mim. Em condições normais, também fui e ainda sou exatamente igual ao seu filho com relação a isso, em todos os elementos (incômodo em ambientes quentes, arregaçar as mangas no frio, banho morno, comida não muito quente, etc.). Diante disso, imagino que o incômodo atual dele realmente possa ser pelos dois motivos, a hipersensibilidade ao calor e também a textura dos tecidos, ampliada pela gripe. Mas observe sim! E ele ainda é bem novo, tenho certeza que tem muito potencial para se desenvolver bastante!

      • Olá Jacob. Não pude deixar de me lembrar de você quando meu filho fez um escândalo ontem para não colocar a roupa da apresentação da festa de encerramento da escolinha. Parecia que eu estava colocando uma roupa cheia de espinhos nele. Acabamos não indo e eu me senti “derrotada”. Meu marido por outro lado disse que acha que foi melhor assim, pois se ele não aceitou, é porque deve ser insuportável a aspereza da roupa… Meu medo é que o autismo vire muleta para tudo que meu filho queira. É difícil saber dosar o quanto devemos ser firmes na educação para não mimá-lo e o quanto podemos ser permissivos e relevar, para não tornar o mundo um lugar horrível para ele. Pensando nisso, queria saber se há algo que você gostaria que seus pais tivessem feito diferente quando você era criança, ou o que eles fizeram que você achou que foi positivo para seu desenvolvimento.
        Muito obrigada!

      • Oi, Carol! Puxe, que pena que ele acabou perdendo a apresentação. Às vezes acontece, realmente, E é difícil de lidar, porque é uma linha tênue entre respeitar as características do autismo e estimular o autista a se desenvolver em algumas coisas. Sobre os meus pais, havia muita desinformação naquela época, e ainda mais preconceito. Minha mãe nunca me falou do diagnóstico que eu tinha recebido do médico. Apesar das dificuldades evidentes, eu era tratado e visto como “normal”, então tinha que fazer o que os outros faziam e pronto. Isso teve um lado bom e um lado ruim, mas uma das coisas que considero boas foi justamente que eu acabei forçado a me desenvolver, porque não tinha escolha. Mas, por outro lado, muita coisa teria sido bem melhor e menos sofrida para mim se minha família tivesse entendido e respeitado algumas das minhas peculiaridades. No caso da roupa, eu penso que vocês fizeram bem, porque é algo sensorial que não se perde (ou só se perde depois de um bom tempo de terapia ocupacional). Forçar ele a ir com a roupa só deixaria ele desconfortável e acabaria não sendo proveitoso. Mas em outra situação (por exemplo, se a roupa não fosse áspera), aí sim poderiam estimulá-lo a ir e manter isso. Enfim, não é fácil mesmo, mas o equilíbrio ajuda sempre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s